Data : 25/07/2014

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

Resolução da ONU

Aprovada resolução da ONU para investigar violações dos direitos humanos em Gaza: o comentário do Arcebispo Tomasi

israel

Rádio Vaticana

Genebra (RV) – O Conselho da Onu para os direitos humanos votou nesta quarta-feira em Genebra, na Suíça, a abertura de uma investigação sobre as violações realizadas na guerra em Gaza. A resolução passou com 29 votos a favor, um contrário – o dos EUA – e 17 abstenções, entre os quais todos os países da União Europeia, incluindo a Itália.
Durante os trabalhos pronunciou-se o observador permanente da Santa Sé no escritório da ONU na cidade helvécia, Dom Silvano Maria Tomasi, que pediu uma trégua imediata para permitir a entrada de ajudas humanitárias em favor da sofrida população de Gaza.
Palestinos e israelenses – disse o prelado a nossa emissora (RV) – são, infelizmente, “dois mundos que não se falam e que buscam encontrar a solução dos problemas mediante a violência que jamais traz resultados”. Eis o que nos disse Dom Tomasi sobre a Comissão de investigação:
Dom Silvano Maria Tomasi:- “Certamente a Comissão deverá examinar o uso desproporcional da força praticado pelo exército de Israel, quando destrói, como diz, por razões de defesa militar, mas, de fato, destrói casas privadas e ataca estruturas de saúde, bombardeia famílias. Com a mesma objetividade devem também ser examinados estes grupos palestinos, que controlam a utilização dos foguetes lançados contra a população civil israelense. Portanto, a tarefa desta Comissão não será fácil. Outras Comissões foram criadas no passado, que na verdade não deram muitos resultados: fazem seus relatórios que são comunicados aos países membros das Nações Unidas; reflete-se sobre esses relatórios e sobre as recomendações que são feitas. Porém, depois, a aplicação dessas diretrizes vira letra morta. Falta, de fato, a vontade política de resolver o problema em sua raiz, respeitando os direitos de todos: os direitos dos israelenses de viverem em seu Estado em paz e segurança, sem ser atacados; e o direito dos palestinos de terem também uma vida digna e de poder afirmar a sua identidade através de um Estado.” (RL)

Fonte: http://www.news.va/pt/news