Data : 31/07/2014

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

Visita do Papa aos pentecostais

Líder evangélico comenta visita do Papa aos pentecostais
papa-francisco-pastor-Giovanni-Traettino
2014-07-31 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – Para aqueles que não fazem parte da Igreja é “importante” ver que entre os cristãos exista uma intenção à unidade. O líder da Aliança Evangélica Mundial, o Rev. Geoff Tunnicliffe, analisa muito positiva o encontro da última segunda-feira entre o Papa Francisco e a comunidade pentecostal de Caserta, guiada pelo Pastor Giovanni Traettino. As considerações do líder dos evangélicos em entrevista à Rádio Vaticano:

R. – Sim, eu acho que esse trabalho de construir relações dentro da família cristã seja extremamente importante. Em João 17, Jesus pede, em sua oração, para ser “um” e eu creio que para aqueles que estão fora da Igreja seja importante entender e ver que, embora existam diferenças entre as denominações cristãs, no coração da fé cristã têm pontos em comum. Creio que isso seja importante em um mundo cada vez mais dividido por ideologias e religiões.

P. – O Papa também pediu publicamente perdão por aqueles católicos que perseguiram e impuseram leis discriminatórias aos não-católicos, especialmente aqui na Itália. Segundo o senhor, este é um passo importante no caminho para a reconciliação?
R.- Em primeiro lugar gostaria de comentar sobre esta iniciativa do Papa Francisco de pedir publicamente perdão. Responde a um conceito bíblico e reflete a mensagem de Jesus: quando você comete um erro, deve reconhecê-lo e pedir perdão. Espero que este ato do Papa Francisco seja capaz de enviar uma mensagem forte a todo o mundo, especialmente aos países onde existem fortes tensões entre católicos e evangélicos. Mas gostaria de dizer também isso: reconheço que na história houve situações em que os protestantes, incluindo os evangélicos, cometeram atos de discriminação em relação aos cristãos católicos. Eu fico realmente muito triste para essas ações: na verdade, podemos não estar de acordo sobre a questão teológica, mas isso nunca deveria levar à discriminação e muito menos às perseguições. Devemos reconhecer todos os nossos pecados e nos pedir perdão uns aos outros. Parece-me que o Papa Francis deu um grande exemplo. (SP)